O Complexo Identitário Yorùbá-Nàgó (2)

Standard

O estabelecimento Yorùbá ao sul do Daomé parece ter ocorrido por volta do século XVI, embora ele seja muito anterior no centro do território daomeano, por volta do século XII, de acordo com o estabelecimento dos Kétu, sendo que o quadragésimo Alákétu terá reinado por volta de 1780 do calendário ocidental. O termo Nàgó passou a designar, com o tempo, todos os Yorùbá dos diversos reinos e adversários do Leste e Nordeste, sem distinção entre os de Abéòkúta, Egba, Egbado, Kétu ou Sábé. Há quem entenda o termo nàgó como um termo pejorativo de origem fon, traduzível por “sujeira, lixo, etc.”. A possibilidade deste termo não é de colocar de lado mas também não poderá ser assumida por correcta ou única, apesar de os Yorùbá de Òyó se referirem aos daomeanos como “jeje”, estrangeiros, também num sentido nem sempre cordial. Mercier indica que os Nàgó são “…agrupamentos Yorùbá, no círculo daomeano de Porto Novo e de regiões adjacentes da colônia e da divisão de Illare, que se chamam a eles mesmos de Ànàgó e conhecem unicamente esse nome…”. Seja como for, o termo Ànàgónu ou Nàgó, que se referia originalmente aos Yorùbá de Ifè, foi usado de forma extensiva pelos Fon e pela administração francesa a todos os povos Yorùbá, sendo o termo herdado pelos Yorùbá da Bahia, independentemente da sua origem geográfica. Ou seja, Nàgó e Yorùbá passaram a designar uma mesma realidade étnica que saiu de Ifè e migrou pelo vasto território envolvente a leste, nordeste e a sul.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s