Culinária Afro-Brasileira: História (1)

Uma das heranças africanas mais significativas no Brasil, constituindo-se como património imaterial (aromas, sabores e receitas) e património material (visual dos preparos) é a culinária afro-brasileira. Essa herança cultural fundamental, iniciada na Senzala e introduzida na mesa da Casa Grande – usando-se de imagens de Gilberto Freyre – permanece hoje alicerçada no folclore bahiano, através das bahianas do acarajé, mas longe da afirmação cultural nacional, imaginário ainda preso a séculos de afirmação cultural europeia.

Como é óbvio, os negros aprisionados no comércio negreiro, não trouxeram consigo nenhum livro de receitas, trouxe isso sim, uma bagagem etnico-cultural imensa, em que a gastronomia marca sua importância identitária. Por outro lado, os primeiros colonizados vieram sem as suas mulheres, sabendo que grande parte dos que iam chegando eram antigos condenados na metrópole. Assim, como forma de suprimirem as necessidades fizeram uso primeiro das indígenas e depois das negras que iam chegando nas rotas negreiras. Isso tanto se aplica às necessidades sexuais como às necessidades alimentares.

Nos engenhos as negras assumiram o papel de cozinheiras, adaptando as suas receitas aos temperos disponíveis, carenciadas dos ingredientes naturais africanos. Assim, a mandioca substituiu o inhame, o azeite-de-dendê fez o lugar de uma série de pimentas africanas, embora se trata-se de um condimento que lhes era familiar. Sementes, raízes, folhas, frutas e tudo que pudesse suprir as carências dos alimentos na colónia e nas senzalas, passaram a dar um novo sabor à cozinha africana (agora afro-brasileira)que essencialmente com a incorporação de animais que a dieta africana trazia em seus cardápios, previlegiava a mesa dos senhores dos engenhos. Adeptos da caça, utilizaram os animais que encontravam no estranho território como, tatus, lagartos, cutias, capivaras, preás e caranguejos. Os animais eram muitos frequentes na alimentação das senzalas e praticamente passaram a constar na mesa dos colonizadores.

Na culinária afro-brasileira é muito comum o uso do caldo dos alimentos, pois ele é um item fundamental no preparo de outros, como por exemplo, sua mistura com a farinha.Proveniente tanto do próprio alimento assado ou cozido, quanto do alimento preparado com água e sal, o caldo deu origem a pratos típicos da cozinha brasileira, como o Angu (caldo com farinho de milho), e o pirão (caldo com farinha de mandioca), já conhecido pela cultura indígena.

Anúncios

3 thoughts on “Culinária Afro-Brasileira: História (1)

  1. Maisa diz:

    Gostei do post. A cozinha brasileira, cantada em verso e prosa, nasceu da mistura europeia, africana e amerindia. Os indios tbm se alimentavam de caldos, contribuiram com o feijão preto, o milho, o amendoin, a carne de caça e pesca, a farinha de mandioca, todos produtos originários do continente americano e já utilizados pelos índios antes da colonização, e os africanos e portugueses acresecentaram seus pratos típicos, a sua cultura e no fim o mundo saiu ganhando.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s