Festa da Boa Morte

Standard

Mantendo a tradição histórica da Irmandade, os fundos indispensáveis à realização da festa provêm dos donativos populares uma vez que a irmandade não tem fundos próprios para a organização dos eventos. Estas contribuições populares representam um acto que aproxima o profano e o sagrado, as populações e a instituição, e que trás consigo uma carga simbólica inerente à oferenda ou contribuição religiosa, isto é, a oferenda do devoto transforma-se numa dádiva do divino, tendo presente que no imaginário popular as mulheres da Boa Morte são detentoras de um poder especial do qual poderão advir coisas boas para quem lhes agradar. É óbvio que esse poder reconhecido tem também uma componente ligada ao culto dos Orixás, uma vez que as negras da irmandade são também sacerdotisas ou membros importantes das comunidades/terreiros de candomblé.

Estruturalmente, a festa da Boa Morte compõe-se de três etapas: a primeira diz respeito aos ritos de preparação; a segunda etapa remete para as cerimónias públicas e privadas, e a terceira, a final compreende o fecho da festa, com o samba-de-roda, a mesa fria e os ritos privados.

Anúncios

One thought on “Festa da Boa Morte

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s